Close Previous Next Previous Next Go up Go down Go up Go down Back to top Previous Go back Open menu Sound off Sound on Search Manager Calendar Date Comments Reading time Author Categories Tags Facebook Twitter Instagram LinkedIn YouTube Phone Play Play Pause Languages Oficina virtual Tu perfil

O trabalho temporário em Portugal, por Liliana Oliveira, Branch Manager Nortempo Aveiro

Liliana oliveira blog

As empresas continuam a recrutar e a dificuldade, de momento, passa pela escassez de mão-de-obra, quer no trabalho não qualificado, quer em perfis mais especializados.

Há claramente um crescimento significativo do trabalho temporário face aos números de 2020 resultantes da pandemia Covid-19. O ano de 2021 já evidenciou essa retoma e 2022 está a consolidar-se de igual forma. A perspetiva para o ano de 2022 era positiva apesar do receio pandémico. Contudo, a situação de instabilidade do mercado e a dificuldade no abastecimento e fornecimento das matérias-primas, devido ao conflito europeu que se vive atualmente, tem vindo a fustigar as empresas e a deixar os empresários reticentes no que toca às contratações de colaboradores.

Por força da crise, as empresas tiveram de se organizar para recuperar e superar as suas dificuldades, passando as alterações pela externalização ou pela subcontratação de recursos humanos, o que lhes permite usufruir de formas mais flexíveis de trabalho, com custos fixos mais diminutos e maior rapidez na contratação dos perfis.

De acordo com a experiência da Nortempo, as empresas continuam a recrutar perfis, pelo que a dificuldade de momento passa muito pela escassez de mão-de-obra, quer no trabalho não qualificado, quer em perfis mais especializados. Há falta de profissionais em Portugal, e isso é já há muito um dado adquirido pelas empresas. A escassez de candidatos e também de talento já vinha a ser notada no período pré-pandemia, mas intensificou-se, aumentando o impacto após a mesma.

Na Nortempo não tivemos outra alternativa a não ser reinventar-nos, por forma a sermos mais rápidos e eficientes, quer para ajudar os nossos clientes, quer para os nossos colaboradores, que são o nosso ativo no mercado de trabalho.

Sendo a nossa empresa especializada na gestão integral de recursos humanos, implementamos a automatização de processos, seguimos a tendência da digitalização com um novo processo de assinatura digital de documentos e apostamos, também, em novas plataformas de captação de perfis. Não podemos nem queremos parar, pelo que temos de estar conscientes de que o mercado está em constante mudança. Tudo é mais célere e as empresas precisam de se adaptar a esta nova realidade.

Outro dos desafios passa pelo mercado de trabalho, que está cada vez mais competitivo. Surgiram novas áreas de negócio, e outras que já existiam ganharam ainda mais peso, como é o caso da economia verde ligada à área da sustentabilidade. O caminho é por aí, temos diversificado a nossa área de negócio e alargado também a outros sectores industriais com os quais não trabalhávamos.

Ainda há uma outra questão importante que devemos analisar: a retenção de talentos, que está também a sofrer uma alteração profunda. É cada vez mais valorizado pelo trabalhador a qualidade de vida no trabalho e os empregadores devem estar conscientes desta realidade. As empresas têm de dar prioridade ao desenvolvimento dos seus colaboradores e potenciar as suas skills, em prol dos objetivos e propósito da empresa. O salário é importante, mas já não é tudo.

As mudanças são cada vez mais rápidas e as empresas precisam de se conseguir adaptar. Há estudos que defendem a ideia de que mais de metade dos empregos, em 2030, ainda não existem ao dia de hoje, por isso, quando olhamos para o profissional de hoje, temos como certeza que, este, não será o mesmo profissional do futuro.

Liliana Oliveira Ventura é branch manager da Nortempo Aveiro