Blog

Eu, robot. Bem vindos à revolução 4.0 no mundo do trabalho

Yo
26 de Fevereiro de 2020— Tiempo de lectura: 2 minutos

Os robots e as máquinas inteligentes já cá estão e, embora pareça ficção científica, o mundo do trabalho está a mudar a passo largo e como tal devemos acostumar-nos a trabalhar juntos e em diferentes áreas ou sectores. Apesar de já estarmos imersos na revolução 4.0, a verdadeira mudança será quando alcançarmos a coexistência entre homens e máquinas, o que transformará o conceito de “trabalho tradicional”. Imaginas um robot como colega de trabalho? Vamos tentar descobrir os seus prós e contras.

  • Uma grande ajuda. Se a priori vês os robots como inimigos, deverás mudar essa ideia porque eles podem ajudar-nos em momentos de apuro, realizando tarefas mecânicas e armazenando dados quando necessário. Devemos ter em conta que eles podem funcionar como um “braço de execução” da empresa, mas sempre sob controlo humano.
  • Redução da sinistralidade. No que diz respeito à segurança e saúde no trabalho, os especialistas acreditam que graças à interação entre trabalhadores e máquinas é possível evitar muitos acidentes de trabalho porque serão programados em matéria de prevenção, contudo poderão trazer consigo riscos psicossociais devido à relação permanente com robots.
  • Melhorar a competitividade. É normal pensar que quando a tecnologia substitui o Homem há lugar para alterações laborais e mesmo o trabalho em si pode ficar obsoleto, contudo, também devemos pensar que o surgimento das máquinas pode ser um estímulo para aumentar a competitividade, criar novos negócios e gerar emprego associado ao seu desenvolvimento.
  • Precisam de ti. Se tens que trabalhar com um robot, o objetivo será que ele seja parecido contigo sendo que, graças à inteligência social, serão fornecidos certos parâmetros para que sejas capaz de entender se as tarefas estão a ser bem feitas e se o cliente está satisfeito. Assim, e graças à indispensável ação humana, será atingido um nível de relação maior com a máquina uma vez que esta será dotada de soft skills tais como competências comunicativas, criatividade, organização ou pensamento crítico.
  • Facilitar a interconexão. A Internet da Coisas é uma realidade e vivemos num mundo interconectado com múltiplas vantagens em inúmeros sectores, como a logística, transporte ou energia. Num mundo onde imperam os dados na rede, as empresas podem antecipar-se ao consumidor e às suas necessidades graças às vantagens da robótica e inteligência artificial que transmitem, em tempo real, todas as necessidades e conectam sistemas e serviços.