Close Previous Next Previous Next Go up Go down Go up Go down Back to top Previous Go back Open menu Sound off Sound on Search Manager Calendar Date Comments Reading time Author Categories Tags Facebook Twitter Instagram LinkedIn YouTube Phone Play Play Pause Languages Oficina virtual Tu perfil

“A educação é a principal ferramenta para avançar numa sociedade igualitária”

Maider blancob okkkk

Maider Blanco, diretora da Fundación Nortempo

Na Fundação Nortempo, trabalhamos em programas de consciencialização pela corresponsabilidade, estamos a mudar gradualmente essa cultura implantada na sociedade”, afirma a diretora, que celebrará a 8 de março, interna e externamente, envolvendo a equipa e organizando workshops inclusivos sobre recursos e competências profissionais.

Porquê que ainda é necessário comemorar o 8 de março, Dia Internacional da Mulher?

Porque, sem dúvida, ainda há muito o que fazer. Estamos a dar passos largos e estamos no caminho certo, atualmente temos que nos apoiar em legislar sobre o assunto com Planos de Igualdade, estabelecimento de cotas, mas espero que em alguns anos atinjamos a meta. É um trabalho de toda a sociedade que deve desenvolver-se desde muito cedo, com a educação como principal ferramenta.

De que modo é que a Fundação Nortempo o comemora em 2021?

A 8 de março celebramos interna e externamente. Internamente, na Fundação e no grupo de empresas Nortempo, vamos realizar ações de sensibilização dos trabalhadores, uma espécie de exercício de reflexão sobre questões fundamentais, como se realmente exista esta discriminação social e desta forma cada um possa tirar as suas próprias conclusões. E externamente, durante toda a semana impulsaremos webinars orientados para as mulheres, embora sejam inclusivos, trabalharemos temas como a marca pessoal, como fazer um currículo, nos casos em que ficaram muito tempo sem trabalhar e pretendem regressar ao trabalho, ou seja, como administramos esses espaços em branco na nossa carreira profissional e também desenvolveremos outras sessões sobre recursos e habilidades para encontrar um emprego.

Pt
#InspiringWomen

Quais os planos ou medidas específicas de empregabilidade e inserção sócio laboral dirigidas às mulheres da Fundação Nortempo?

Na Fundação Nortempo temos o Programa Integra-T Muller, no qual trabalhamos especificamente com 30 mulheres vítimas de violência de género, e nosso principal objetivo é empoderá-las. Partimos da parte mais básica, com as habilidades sociais, porque a maioria vem de uma situação que as torna especialmente vulneráveis. Trabalhamos a motivação, o acompanhamento, realizamos estágios e acompanhamento dentro da empresa, com o objetivo final de conseguir a sua integração laboral. Para essas pessoas que começam a trabalhar, por exemplo, passar por um período de experiência pode ser muito mais frustrante do que para outras, então o apoio durante todo o processo é essencial.

Os números mostram as desigualdades de género na Espanha. O que podemos fazer como agentes Nortempo para corrigir essa situação?

Eu acredito que há um problema social básico, as mulheres acham sempre que o nosso trabalho é complementar, e quando alguém tem que se reconciliar ou parar de trabalhar, somos sempre nós. A partir da Fundação Nortempo, trabalhamos em programas de consciencialização por meio da corresponsabilidade, estamos a mudar gradualmente essa cultura implantada na nossa sociedade. É complicado? Sim, mas tem que ser feito. Também considero que na educação é importante estimular as mulheres a seguirem carreiras CTEM, porque muitas empresas, fruto do Plano de Igualdade, têm dificuldade em encontrar estes perfis técnicos. É um problema que vem desde os tempos de escola, as mulheres são orientadas para outro tipo de formação, por isso considero que a educação para a igualdade desde tenra idade é fundamental para realizar este trabalho inclusivo. A mordomia como tal ainda não existe, mas estamos a dar passos nesse sentido.

Como avalia as políticas de igualdade nas empresas sob a ótica da captação de talentos?

Atualmente existe um Plano de Igualdade, mas não deveriam haver cotas, embora eu entenda que sejam necessárias. Nas empresas, deve haver o recrutamento de talentos por meio de “currículos cegos”, sem dar atenção a outras condições, levando em consideração a experiência e a formação, e não questões como gênero ou idade.

Mulher jovem e mercado de trabalho. Temos um assunto pendente na inserção laboral?

Com efeito, com o agravante de que vivemos um momento difícil, numa pandemia e em ciclos de crise, recai sempre sobre os jovens e os maiores de 45 anos. E se for mulher, a situação fica ainda mais complicada. Insistiria na necessidade de formação, apostaria nela ao longo da carreira profissional e procuraria novos perfis que não são tão procurados.

O que é uma mulher com poder?

Sinceramente, não gosto muito dessa palavra, embora seja verdade que a usamos continuamente. Falaria mais de uma mulher com iniciativa, pró-ativa, que sai da sua zona de conforto, que traça objetivos e vai atrás deles, e que sabe valorizar as suas competências que vai desenvolvendo em todos os momentos da vida.

Responsabilidade ou corresponsabilidade social?

Corresponsabilidade, sem dúvida, e é claro que é assunto de todos. Não deveria haver um Dia da Mulher, pois não há um Dia dos Homens. Os seus direitos já existem, não tem de os justificar e é responsabilidade de toda a sociedade alcançar a igualdade real.